O monstro do outro lado da porta

Ela saiu para enfrentar um monstro. Teve a súbita consciência desse fato quando percebeu que estava em movimento, com uma arma na mão. Não tinha outro jeito, teria que encará-lo. Deus do céu, ela estava indo se encontrar com um monstro, e teria que matá-lo.

Nas histórias que ela gostava, várias vezes os heróis se viram nessa mesma situação e percorreram a distância com a cabeça erguida, nervosos porém convictos. Era o momento que eles ganhavam o adjetivo corajoso ao lado de uma série de outras qualidades que os permitiam ser protagonistas dos seus enredos particulares.

Ela, porém, não sentia nada remotamente parecido com coragem.Leia mais »

Anúncios

O terrível steampunk nacional de Enéias Tavares (no bom sentido)

1Título: A Lição de Anatomia do Temível Dr. Louison
Autor: Enéias Tavares
Editora: Casa da Palavra (Selo Fantasy)
ISBN: 9788577344895
Ano: 2014
Páginas: 304
Avaliação: 4/5

 

A história se passa em Porto Alegre dos Amantes (mais conhecida por nós como Porto Alegre) lá pelos anos 10, em meio a robôs serviçais, zepelins voadores e o pior que existe na natureza humana. É nesse ambiente um tanto misterioso e soturno que o jornalista carioca Isaías Caminha precisa compor seu dossiê sobre o caso do abastado Dr. Louison, que apesar dos seus modos educados, deu para assassinar outros membros da elite gaúcha e usar os órgãos das vítimas para estudos anatômicos. A matéria por si só já seria estranha o suficiente, mas para completar, o crápula escapa do hospício onde estava detido bem na véspera da sua execução.

Talvez, com a ajuda do próprio Isaías.

Vamos começar dizendo que, embora o steampunk sempre tenha me fascinado, eu muito provavelmente nunca havia lido nada do gênero, então estava cheia de expectativas quando coloquei minhas mãos nessa coisinha de título maravilhosamente comprido. Ainda assim, acho que jamais teria esperado nada do tipo, não tanto pelas características da história, mas pela maneira como ela foi narrada. E o formato é sem dúvida o grande diferencial do livro.Leia mais »

As verdadeiras pelejas em A Batalha do Apocalipe

a_batalha_do_apocalipse_14539131761322sk1453913176b

Título: A Batalha do Apocalipse
Autora: Eduardo Spohr
Editora: Versus
ISBN: 9788576860761
Ano: 2014
Páginas: 586
Avaliação: 3/5

 

E no Sétimo Dia, o Altíssimo descansou. O Criador deixou sua obra aos cuidados dos sete arcanjos, mas seu ciúme foi despertado por dois tesouros da humanidade que nenhum ser angelical possuia: alma imortal e livre arbítrio. Uma guerra civil teve início no céu, e os poucos anjos que se atreveram a lutar pela humanidade foram renegados, exilados na Terra e condenados a viver em avatares de carne — ao menos, enquanto conseguissem se esconder de seus inimigos. Pouco depois, um segundo cisma expulsou Lúcifer e seu séquito para o inferno, pelo crime de ter afrontado Miguel. E para a frustração do tirano, apesar de todos os seus esforços, o homem sobreviveu. Mas não por muito tempo. O Armagedon se aproxima. O tecido da realidade cairá e dará espaço a uma batalha entre anjos e demônios para decidir o futuro da humanidade, antes do momento derradeiro do despertar do Altíssimo e do Juízo Final de homens e celestes.

Agora cabe a Ablon, o último anjo Renegado, erguer-se mais uma vez pela defesa da sua causa perdida.

Senhoras e senhores, saibam que escrito em terreno tupiniquim e em bom português temos uma obra fantástica como eu nunca vi além das nossas fronteiras. Em aspectos positivos e negativos, mas sobretudo pela dimensão da história e da originalidade do autor. Spohr conseguiu englobar todas as mitologias que conhecemos e amamos, mais todas as religiões já praticadas pelo homem em um único universo de maneira incrivelmente simples, mas brilhante, respeitosa e, na maioria das vezes, muito coerente. E temperou tudo com um enredo, bom, apocalíptico.Leia mais »

Os segredos escondidos na Torre acima do Véu

capa-nova
Título: A Torre Acima do Véu
Autora: Roberta Spindler
Editora: Giz Editorial
ISBN: 9788578552312
Ano: 2015
Páginas: 288
Avaliação: 4/5

Comecei 2017 determinada a priorizar livros nacionais, e Roberta Spindler foi um excelente começo com seu romance distópico. A história se passa meio século depois que boa parte da humanidade foi dizimada por uma névoa misteriosa que obrigou os sobreviventes a se abrigarem no alto de mega-edifícios. A vida na Nova Superfície é dura, cheia de limitações, incertezas e do medo constante dos outros sobreviventes da Névoa: os sombras. Assim são chamadas as pessoas que resistiram à infecção da Névoa, mas se tornaram monstros e abduzem humanos que se arriscam muito próximos do véu. O motivo, ninguém sabe.

Nesse ambiente hostil, diversas facções disputam o controle ideológico e econômico do que restou da sociedade, sendo a Torre a organização mais influente e equipada. E no meio disso tudo encontramos Beca, uma jovem audaciosa que ganha a vida com o pai e o irmão se arriscando para resgatar recursos em níveis perigosamente próximos da nuvem tóxica e dos seres que a habitam. Apesar da experiência e perícia da garota, uma transação dá terrivelmente errado, e ela se vê enredada em missões perigosas que podem não apenas decidir a vida da sua família, mas esclarecer os mistérios ocultos no véu e por em xeque o poderio da Torre.

A sinopse é interessante, mas talvez por não estar muito habituada com o gênero, fiquei surpresa com a rapidez que a narrativa me ganhou. Nos primeiros capítulos meu coração acelerava constantemente, dividido entre querer saber o que ia acontecer em seguida e com medo da resposta. Roberta tem uma escrita fluída, ágil e enxuta, como um livro repleto de ação exige. O universo complexo que ela criou é explicado brevemente em parágrafos que se costuram com os eventos de maneira sutil, permitindo que o leitor compreenda melhor aquele mundo sem tirar o foco do que está acontecendo. A autora não desperdiça palavras, e se vê claramente que tudo que está escrito ali tem uma participação no avanço da trama. Um bom indicador são os capítulos curtos.Leia mais »

Veteranos de guerra

Berto podia ver cada ruga, cada vinco da pele repuxada e marcada pelos anos e pelo aço no reflexo que seu escudo lhe mostrava. Encarou os olhos, cinzentos como as tempestades que enfrentara e vencera, como as lápides dos companheiros que ficaram para trás. Embaçados como a névoa que começava a envolver suas energias e tragá-las para um lugar além do seu alcance. Como aquilo fora acontecer, afinal? Leia mais »

Kos Ule

kos ulrA Lua cheia resplandecia no céu, senhora do firmamento. Mesmo as estrelas não ousavam brilhar diante dela. As nuvens pareciam se afastar do círculo luminoso voluntariamente, como que para não correr o risco de eclipsar o espetáculo. Ou como se fugissem de uma doença contagiosa. De uma maldição. Era um tanto amarga, a ironia. O astro que supostamente deveria trazer luz à noite era o que fazia dela tão sombria. Ele gostaria que não fosse assim. Sentia saudades de poder admirar a Lua como fazia antes. Mas no momento, apenas uma parte adormecida da sua mente tinha ciência desse desejo, dessas memórias. Aquela parte que estava no controle, entretanto, não tinha receio ou rancor da Lua que brilhava sobre sua cabeça, ou da luz que refletia seu pelo alvo e macio.Leia mais »